Palavra do Presidente

VERDADE DOS FATOS

Sistema penitenciário de injustiças e promessas não cumpridas

Muitas coisas me deixam indignado, mas sem dúvidas, há duas coisas que estão no topo da minha indignação: as injustiças e as promessas não cumpridas. Não há quem me faça aceitar tais situações. De um modo especial, não suporto principalmente que agentes de segurança penitenciária (ASP) sejam injustiçados.

A impressão que tenho é de que o sistema penitenciário parece já ter se acostumado com injustiças seguidas de opressão. E o que mais me deixa indignado é que muitas vezes perdemos a capacidade de ficarmos indignados, principalmente quando nossos companheiros são os alvos. Quando nossos companheiros são injustiçados por promessas não são cumpridas, temos sim que nos indignarmos! E essas injustiças devem ser para nós prioridade de luta! E neste caso, não há injustiça maior do que a cometida contra os 32 ASPs que respondem a Processos Administrativos Disciplinares (PADs), que inclusive chegaram a ir para a Procuradoria Geral do Estado (PGE). Isso até temos como reverter na Justiça, pois ninguém foi punido ainda, mas o fato é que esses companheiros estão processados para serem exonerados por conta de apenas terem participado da greve de 2014. Isso é muita injustiça!

Servem apenas de “boi de piranha”, pois nossa greve de 2014 foi ordeira, dentro da lei, e em nenhuma houve excessos. É muito fácil e cômodo para nós nos acovardarmos e deixarmos tudo a cargo da Justiça ou da injustiça, e esperarmos 2 ou 3 anos para que tudo seja resolvido, ou não. Enquanto isso, os 32 ASPs ficam sem promoção, sem licença-prêmio, sem fazer DEJEP, e isso é injustiça! Não somos covardes e não vamos deixar nenhum guerreiro ser injustiçado. Estamos lutando por nossos direitos e por justiça, afinal, nem mesmo a negociação de 2014 foi cumprida. Onde está nosso bônus? Onde está a negociação da campanha salarial 2015? Não podíamos ficar calados! Chamamos a categoria para ouvir o que os servidores pensam e apenas atendemos o clamor de mais de três mil ASPs que participaram de 23 assembleias.

Durante nossa greve o governo não fez nenhuma proposta e nem mesmo chamou a categoria para negociar. E mais, além disso, fez terror abrindo novas sindicâncias para punir mais de 100 ASPs, conseguindo calar a grande maioria. Contra o Sindasp-SP, aplicou uma multa de R$100 mil por dia de greve.

Com o pretexto de proteção do Estado, usam o Judiciário e as punições administrativas como mordaça e menosprezam a democracia, assim como nos regimes autoritários e tiramos, como, por exemplo, no caso de Mao Tsé-tung, na China, sobrepondo-se à Constituição Federal, que garante nosso direito de fazer greve. Mas isso vai acabar, pois vamos lutar em Brasília pela regulamentação da greve nos serviços públicos essenciais.

Também é importante entendermos que, além de não aceitarmos a mordaça e a evidente retaliação punindo os 32 companheiros, também há a questão moral de demonstrar ao governo que não será ameaçando que ele vai nos parar. Afinal, hoje são 32 e amanhã serão quantos? O governo deve sim é cumprir o seu papel e negociar com a categoria, respeitando o direito de todos.

Mas quero dizer que somos fortes e valentes, e com a contribuição sindical, chegaremos a um novo patamar de lutas e conquistas, além do respeito e reconhecimento da sociedade. Vamos ter força e dinheiro para lutar por seus direitos, lutar contra essas injustiças, melhores salários e condições de trabalho. Até mesmo coisas simples de se resolver levam anos para andar na SAP, como por exemplo, nossa nova funcional, que levou 5 anos para ficar pronta. Até hoje não temos um fardamento digno, e é vergonhoso até comparar ao fardamento dos AEVPs com uniforme dos ASPs. E no caso do porte de armas emitido pela SAP onde os ASPs não podem nem mesmo receber treinamento e nem curso na EAP? E a formatura dos ASPs já prometido ao Sindasp-SP. Uma secretaria que nunca fez uma homenagem fúnebre aos ASPs executados por servirem ao Estado e defenderem a lei quer que pensemos o quê? E os coletes para os ASPs e AEVPs? Já conseguimos junto Exército o uso de armas de calibre restrito mais até agora a SAP ainda não regulamentou nosso porte, mesmo após várias e várias cobranças.

Se não nos organizarmos com estrutura, jamais veremos a justiça acontecer! Muito obrigado a todos que acreditam em nosso trabalho. Tenho a certeza de que nosso esforço será compensado em reconhecimento e grandes benefícios à nossa classe. E a luta continua!


(Publicado na Edição nº 40 do Jornal do Sindasp-SP)

Palavra do Presidente: O meu muito obrigado, mas a luta continua

Essa é a primeira edição do jornal do Sindasp-SP em 2015 (40ª edição geral). Quero aproveitar a oportunidade para primeiramente agradecer a todos os servidores do sistema penitenciário do Estado de São Paulo e seus familiares, que acreditaram em mim, manifestando seu voto nas últimas eleições, quando concorri ao pleito eleitoral como candidato a deputado estadual pelo partido Solidariedade (SD).

Obtive uma grande quantidade de votos, e por isso, agradeço também a todos os companheiros que não mediram esforços e trabalharam como voluntários na campanha. Infelizmente, ainda não foi desta vez que conseguimos eleger um agente de segurança penitenciária (ASP) para nos representar na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, mas o sonho não vai morrer aqui. A luta continua. Sim, a luta deve continuar sempre, pois, minha candidatura foi na verdade a continuidade de um projeto mais amplo, e que tem o objetivo de colocar fim às incansáveis lutas por melhorias no exercício das funções dos agentes penitenciários, bem como, nos descasos do governo para com cada servidor que, heroicamente, arrisca a vida diariamente nas unidades prisionais.

Não há outra forma, precisamos sim eleger deputados para zelar pelos interesses dos servidores penitenciários. Somente quem sente na pele os problemas encontrados pela categoria é que realmente nos dará a devida importância. É somente com o poder constituído que deixaremos de “mendigar” nossos direitos ao governo.

Basta lembrarmos de duas situações recentes: a Lei nº 15.552 que acaba com a revista íntima dos visitantes nas unidades prisionais do Estado de São Paulo, sancionada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) em 12/8/2014, e que ainda não regulamentada; E o Projeto de Lei (PL) 897/2014, de autoria da deputada Telma de Souza (PT), que tramita na Alesp, e que pretende determinar regras para ações de grupos de intervenção nas unidades do sistema prisional do Estado, “acabando” com as ações do Grupo de Intervenção Rápida (GIR) nas unidades.

Esses são dois exemplos que nem mesmo deveriam tramitar na Alesp, e que, se tivéssemos um deputado da categoria, não seríamos prejudicados como fomos por essas duas tramitações. É por isso que, precisamos a todo custo nos preparar para as próximas eleições e mostrarmos nossa força, colocando na Alesp um representante genuíno da categoria, aliás, como outros estados já fizeram.

Continuamos firmes à frente da Presidência do Sindasp-SP, uma instituição séria e que cresce a cada dia, em qualidade, atendimento aos filiados, estrutura e número de filiados, rumo à construção da maior entidade sindical do Brasil. E para isso, contamos com sua participação. Que o Senhor Deus continue nos abençoando para que possamos conseguir conquistar tudo aquilo que sonhamos para a categoria. “Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor, e o povo ao qual escolheu para sua herança”. (Salmos 33:12).

DANIEL GRANDOLFO

Presidente do SINDASP-SP


(Publicado na Edição nº 39 do Jornal do Sindasp-SP)

Palavra do Presidente: A luta continua!

Desde que foi decretado o fim da greve da categoria, em 26/3, trabalhamos para que o governo enviasse para a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), o projeto contendo as conquistas que foram fruto da nossa luta e união. Enviamos ofícios solicitando do governador e do secretário da Administração Penitenciária que o projeto fosse encaminhado com urgência, a fim de que o acordo fosse cumprido.

Depois de muita insistência e cobrança, finalmente o governo encaminhou dois projetos para tramitar na Alesp: o PLC 18 e 19/2014, já de conhecimento de todos. A partir de então, a luta era outra, ou seja, buscar apoio dos deputados estaduais para a aprovação dos mesmos, e foi o que fizemos.

Criamos emendas, que foram anexadas aos PLCs, para beneficiar ainda mais a categoria. No PLC 18/2014, visamos retroagir os valores a 1º de março (data-base) e no PLC 19/2014 tentamos melhorar as condições da Diária Especial por Jornada Extraordinária de Trabalho Penitenciário (DEJEP) (projeto criado pelo Sindasp-SP), mas, no entanto, conforme já amplamente divulgado, as emendas foram rejeitadas.

Depois de um incansável trabalho junto aos parlamentares, os projetos foram votados e aprovados, mediante uma emenda aglutinativa, que retroagiu a 1º de maio para o recebimento dos valores. Quero agradecer ao deputado Paulinho da Força Sindical, que investiu pesado em nossa greve, nos dando suporte e apoio com carros de som e centenas de pessoas que ficaram à disposição nos ajudando durante a greve. Ressalto que, inclusive, sem a Força Sindical e a ajuda do Paulinho a greve seria um fracasso e eu nem teria iniciado a mesma. A Força Sindical esteve presente desde o início, o que não ocorreu com a CUT.

Todos sabem o quanto fui cobrado com e-mails, telefonemas, nas unidades prisionais e nas redes sociais, para dar início à greve da categoria. E como presidente da instituição que representa a categoria, fiz aquilo que deveria ser feito, ouvi a voz dos servidores, reuni as diretorias Executivas e regionais do Sindasp-SP, convoquei assembleias gerais em diversas regiões do Estado e mais de 3 mil companheiros participaram e votaram pela decretação da greve, que teve início em 10 de março.

Como todos puderam testemunhas, a greve foi um sucesso, e isso graças à participação e união de todos. No pós-greve, tivemos quase 400 novos companheiros que se filiaram ao Sindasp-SP, e isso para nós é um orgulho tremendo!

Mas nossa luta ainda não está completa. Apesar de o governo ter concedido os 6% de reajuste aos ASPs e AEVPs para a partir de 1º de agosto, por meio do Projeto de Lei Complementar (PLC) nº 26/2014, resta ainda que o governo conceda o bônus anual por assiduidade. Mantivemos contato com o governador e com o secretário da Administração Penitenciária solicitando uma audiência para tratarmos do assunto, e o governo nos prometeu que cumprirá o acordo e iniciará o grupo de trabalho brevemente.

Acimas de tudo, defendemos a categoria, o Sindasp-SP é o abrigo do ASP, é no sindicato que o trabalhador

DANIEL GRANDOLFO

Presidente do SINDASP-SP


(Publicado na Edição nº 38 do Jornal do Sindasp-SP)

Palavra do Presidente: Sim, nós podemos!

Mais um ano está chegando ao fim. Normalmente, essa é uma época em que paramos para refletir tudo aquilo que vivemos durante todo o ano. E 2013 foi um ano de muitas lutas, e também porque não dizer, de conquistas. Buscamos fazer o melhor e persistimos para conseguirmos o máximo de benefícios para a categoria.

No entanto, entendo que nem sempre é possível conquistar tudo e da maneira que gosta ríamos. Um grande exemplo foi o insignificante reajuste de 7% concedido pelo governo. Tal porcentagem não chegou nem próximo àquilo que pretendíamos e esperávamos. Isso obviamente nos entristece, mas não podemos desanimar, precisamos permanecer firmes e juntos, pois assim somos mais fortes. Com certeza ainda há muito o que fazer e muitas são as lutas que estão por vir no próximo ano.

Mas também não podemos nos esquecer das vitórias, elas devem nos motivar a continuar lutando e acreditando que é possível vencer e convencer o governo de que somos peças fundamentais na segurança pública do Estado. O ano de 2013 foi marcado por uma série manifestações que realizamos em São Paulo, ao lado dos companheiros policiais civis e associações de policiais militares. Em 4 de julho, paramos a Avenida Paulista, protestamos contra o desprezo do governador para com a categoria, mostramos a nossa “cara” e ganhamos espaço na grande mídia. Há momentos que dialogamos, mas também há momentos que precisamos “bater de frente”, irmos para as ruas e gritarmos que existimos e merecemos respeito. Sim, acredite, nós podemos!

Certamente ainda temos muito o que lutar para conquistar melhores condições de trabalho e salarial para a categoria. São muitos os sonhos a serem realizados, e só conseguiremos com o apoio e a confiança de cada servidor.

Neste novo ano que se aproxima vamos juntos conquistar o respeito que nossa categoria merece. Vamos continuar buscando até o fim a redução das classes da categoria, o fim do teto do auxílio-alimentação, o fardamento completo para todos os agentes de segurança penitenciária, equipamentos de trabalho e a automatização para todas as unidades prisionais do Estado. E tudo isso já conversamos, pedimos e protocolamos junto governo. Parece muito, mas não é! Os sonhos parecem muitas vezes impossíveis de serem realizados, mas se trabalharmos juntos e nos unirmos, certamente todos eles se tornarão realidade.

Nossa categoria precisa de mais visibilidade, reconhecimento, respeito e também força política, pois, queiram ou não, os meios políticos abrem portas que nenhum outro meio é capaz de abrir. Estou convicto de que chegamos em um momento que não é mais possível voltar atrás, precisamos nos organizar ainda mais, ganharmos mais força e representação para que possamos encurtar o caminho de nossas conquistas e pararmos de mendigar junto ao governo. E como representante sindical estou convicto disso!

Sim, nós podemos mudar a nossa realidade e alavancar nossa categoria; Sim, nós podemos ter representatividade e voz de verdade para exigir nossos direitos; Sim, nós podemos, mas precisamos estar dispostos a dar o melhor de cada um para o bem comum.

A todos um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo, na certeza de que 2014 será um grande ano, de grandes lutas.

DANIEL GRANDOLFO

Presidente do SINDASP-SP


(Publicado na Edição nº 37 do Jornal do Sindasp-SP)

Palavra do Presidente: Sim, nós temos registro sindical

20 anos. Esse foi o tempo que durou nosso sonho. Sonhamos com uma instituição sindical específica dos agentes de segurança penitenciária (ASP). E agora, isso não é mais um sonho, é realidade! Somos o Sindasp-SP, o representante oficial, específico é único dos ASPs em todo o Estado de São Paulo. O Ministério do Trabalho reconheceu nossa luta e enfim nos concedeu a carta sindical. (Leia reportagem completa nas páginas 6 e 7).

Foram 20 anos suportando a humilhação e o desprezo de uma insignificante instituição genérica que nunca se posicionou sobre quem pretendia defender. Se é que algum dia teve realmente pretensão de defender alguém.

Por muitas vezes fomos humilhados pelas redes sociais e chamados de associação de forma pejorativa. No entanto, essa instituição (se é que podemos assim chamá-la) nunca se apresentou na prática como sindicato dos agentes de segurança penitenciária, mas sim, como um “sindicatão genérico” querendo apanhar na rede todo tipo de servidor e ao mesmo tempo sem defender ninguém. Isso, por 20 anos, emperrou a categoria e a impediu de crescer, ser forte e independente.

Resumindo: sempre ficou na “moita” impedindo alguém de ocupar o espaço. Tanto é que barrou na Justiça um registro sindical que estávamos prestes a conquistar. Apesar de tudo, não desistimos e não fizemos o joguinho desse “sindicatão genérico” chamado Sifuspesp.

A verdade é que nesses anos todos o “sindicatão” sempre tentou impedir que estivéssemos à frente da categoria e viveu em função de nos desmobilizar, mas apesar do esforço nunca conseguiu. Tornou-se especialista em atrapalhar o trabalho sério feito pelo Sindasp-SP, muitas vezes mentindo nas redes sociais e em seu site. Fomos vítimas desse “sindicatão” que agora não pode mais falar em nome dos agentes de segurança penitenciária em todo o Estado de São Paulo, pois nosso registro sindical é de abrangência estadual, e assim vamos fazer cumprir o que determina o documento.

O Sifuspesp sempre se negou em participar de nossas pautas unificadas com o Sindcop e o Sindaevp. Sempre se sentiu a cereja do bolo e procurou agir sozinho. Desde 2009 que começamos a elaborar as pautas unificadas mas o “sindicatão” nunca respeitou a categoria e fugiu do compromisso de unificar a luta e fortalecer a categoria.

Sempre alegou ser representante oficial da categoria mas nunca ingressou com ações coletivas que pudessem beneficiar a todos os servidores. Qual o motivo de terem pedido o dissídio coletivo? Agora nós vamos fazer tudo isso! Vamos ingressar com ações coletivas para todos os agentes penitenciários, filiados ou não ao Sindasp-SP, pois nosso registro sindical nos dá essa legalidade e direito. Mas vamos fazer isso para mostrar que pensamos na vida, no bem estar e na família de cada servidor. Mesmo que muitos não queiram se filiar ao Sindasp-SP, vamos também beneficiá-los com essas ações. Queremos uma categoria forte, feliz e com seus direitos em dia.

Sim, nós temos registro sindical. Estamos inaugurando uma nova era e com um sindicato específico e único. E mais, se antes do registro sindical já trabalhávamos, agora então é vocês irão ver como é que se defende uma categoria. Podem esperar, o Sindasp-SP vai entrar com ação coletiva para toda categoria, filiados ou não, para corrigir o erro cometido que estabeleceu a conversão da Unidade Real de Valor (URV) e que levou os servidores a não receberam o devido reajuste em seus vencimentos. Vamos cobrar a recomposição de 11% das perdas a todos os servidores. Vamos pedir também as perdas de 14%da inflação nos últimos 5 anos, conforme laudo que encomendamos de um perito.

Nossa carta sindical é um divisor de águas para a categoria. Faremos frente ao governo, cobraremos quando for preciso e faremos aquilo que jamais foi feito pelo Sifuspesp na história do sistema prisional. Vamos negociar nossas reivindicações diretamente com o governador.

Companheiros do sistema prisional, sejam bem vindos a uma nova era! Um novo tempo está chegando e temos a certeza de que vamos construir uma entidade poderosa que nos represente de verdade. Estamos construindo o maior sindicato do Brasil e você faz parte dessa história. Temos orgulho de contar com sua participação, você é muito importante para nós. Venha para o Sindasp-SP, o único e exclusivo sindicato específico do ASP.

DANIEL GRANDOLFO

Presidente do SINDASP-SP


(Publicado na Edição nº 34 do Jornal do Sindasp-SP)

Palavra do Presidente: A qualidade de quem é exclusivo dos ASPs

Somos a favor SIM de sindicato único (uma só classe) e CONTRA "sindicatão eclético" que desampara seus filiados

Toda instituição sindical deve representar especificamente uma determinada categoria, ao menos é o que rege a Constituição Federal (CF). É por isso que o Sindasp-SP é o Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de São Paulo. Não somos um “sindicatão” que sai por aí “pegando chapéu no meio da ventania”. Representamos uma categoria e por isso fazemos tudo e damos a vida por ela.

O Sindasp-SP jamais tentará abranger diversas categorias, pois assim, faria um trabalho sem qualidade e deixaria todas as classes “atendidas” desamparadas.
Temos respeito por cada filiado da nossa instituição e respeitamos o direito individual do cidadão-ASP de ter um sindicato único e específico que defenda e garanta seus direitos com qualidade. Para isso, não podemos ser um “sindicatão eclético”, pois esses, de acordo com alguns juristas, são aberrações jurídicas.
Nossa visão é clara e transparente: somos ASPs e defendemos a categoria. E ponto final. No entanto, enquanto categoria, ainda precisamos tomar maior consciência para nos tornarmos mais fortes e ganharmos força política.
Sou ASP há 11 anos e quase sempre me senti esquecido pelo governo. Por exemplo, nunca tive um uniforme completo cedido pelo Estado, nem equipamentos de segurança. E você? Provavelmente, assim como eu, você deve ter comprado tudo.
Há ainda outros questionamentos: qual será o motivo que os ASPs que trabalham no “fundão” das cadeias são obrigados a usar uniforme e os outros que estão em desvio de função e que atuam na área administrativa não usam uniformes? Por que somos obrigados a entrar em um raio com 400 detentos para fazer a tranca sem nenhuma segurança fornecida pelo Estado?
Apenas para destacar, há 15 dias tomei um susto quando estive em visita à Penitenciária de Dracena e me deparei com o Diretor Geral, Nestor Pereira Colete Junior, usando o uniforme (camiseta) para dar o exemplo, e olha que ele nem é ASP. Parabéns pela atitude, que sirva de exemplo.
Também vale lembrar que somos obrigados a trabalhar 12h diretas, trancados em um posto sem o mínimo de condições, praticamente enclausurados. Faz somente alguns meses que conseguimos o direito a 1h para o descanso e alimentação  da categoria.
Quer mais? Apesar de não ser fumante, somos obrigados a fumar passivamente no raio. Apesar da Lei nº 13.541 (7/5/2009) estabelecer normas de proteção à saúde e proibir o consumo de cigarros, fumamos passivamente. Diz o Artigo 2º da lei: “Fica proibido no território do Estado de São Paulo, em ambientes de uso coletivo, públicos ou privados, o consumo de cigarros...”. E unidade prisional é o que?
Em relação à segurança, é sabido por todos que sempre que há perigo (e quase sempre há) rebeliões ou mesmo qualquer revolta dos detentos que gera agressão contra os ASPs, ocorre aquele famoso e vergonhoso sorteio para ver quem irá fazer a tranca. Não deveria ser assim, isso é vergonhoso. Deveríamos ter nossa segurança física garantida para exercermos nossas funções.
Por que somos obrigados a entrar em um raio com 400 detentos para fazer a tranca sem nenhuma segurança fornecida pelo Estado?
É pensando na vida e na segurança física do ASP que tomamos a postura e assumimos a bandeira da automatização de todas as unidades prisionais do Estado.
E porque não pode usar barba e óculos escuro? Por que não posso emendar folga e abono nas férias ou licença prêmio? Por que não posso entrar no raio enquanto os presos servem a alimentação? Algumas dessas exigências são de presos, outras são ações arbitrárias de alguns diretores de unidades, visto que a SAP nunca impôs ou baixou qualquer norma que obrigue tais comportamentos. Tempos atrás, em conversa com um desembargador, comentei tais fatos e ele ficou abismado com as ocorrências que ainda se passam com os servidores dentro das unidades prisionais.
Disse tudo isso para mostrar o quanto é importante sermos um sindicato forte e que defende exclusivamente uma categoria. Seremos cada vez mais fortes quando cada ASP se conscientizar e aderir à luta tornando-se um filiado do Sindasp-SP.
Hoje somos melhores que ontem, e amanhã queremos ser melhores do que hoje. Temos o melhor Departamento Jurídico do Estado e a melhor estrutura à sua disposição, por uma mensalidade bem menor que a do “sindicatão eclético”. Hoje temos oito advogados espalhados por nossas nove sedes nas mais diversas regiões do Estado. Somos o único sindicato que entra com dezenas de ações coletivas para defender e beneficiar nossos filiados.
Realizamos visitas semanais nas unidades prisionais, em média dez ao mês, para ouvir nossos filiados e buscar solucionar todos os problemas vividos pelos trabalhadores no exercício de suas funções.
Somos também o único sindicato que não cobra pelo atendimento jurídico em sua fase preliminar e defende seus filiados em todas as esferas, sem cobrar nada por isso.
Fomos os primeiros a defender o porte de armas para os ASPs, AEVPs e motoristas. Por tudo isso estamos nos tornando a maior e melhor entidade sindical do sistema prisional brasileiro. Mas isso acontecerá com a sua participação!
Obrigado a todos que acreditam em nosso trabalho. Venha para o Sindasp-SP, o sindicato específico da classe dos ASPs. Repito, não precisamos de um “sindicatão eclético”, precisamos de um sindicato exclusivo e que defenda tão somente nossos direitos e lute por nossas conquistas.

Um grande abraço a todos

DANIEL GRANDOLFO

Presidente do SINDASP-SP


(Publicado na Edição nº 33 do Jornal do Sindasp-SP)

Palavra do Presidente: construindo a melhor entidade sindical do Brasil

E stamos caminhando para construir a melhor instituição sindical do Brasil. Isso em tamanho e qualidade. No Brasil, somos pioneiros entre os sindicatos em implantar um sistema que garante aos filiados o acesso a seus dados cadastrais, bem como o acompanhamento no andamento dos processos, prestação de contas, gastos pessoais com empresas conveniadas ao Sindasp-SP, entre outros.
Nossa intenção é aproximar cada vez mais o filiado do sindicato, já que, você filiado, é a razão e o sentido da existência do Sindasp-SP. Queremos o melhor para você e sua família.
Estamos em pleno crescimento. O desenvolvimento do Sindasp-SP é também o seu próprio desenvolvimento. Quando crescemos, somos visualizados com mais facilidade e as conquistas se tornam menos penosas. Pensando assim, estamos ampliando o número de sedes do Sindasp-SP e colocando delegados sindicais nas unidades. Inauguramos seis novas sedes regionais, contratamos cinco novos advogados para lhe oferecer a melhor estrutura da categoria.
Hoje somos o único sindicato do sistema prisional que oferece acompanhamento na fase preliminar da sindicância, independente do local em que você esteja, e melhor, sem cobrar absolutamente nada por isso. E tem mais: oferecemos defesa jurídica em qualquer tipo de ação, cível ou penal, estando relacionadas à profissão ou não. Contamos com o melhor Departamento Jurídico do sistema prisional, com mais de 90% de ganho de causas, e com um corpo jurídico de dez advogados.
Acompanhe nosso trabalho diariamente através do site www.sindasp.org.br. Aproveite para conferir nossa agenda de atividades, lista de convênios e a informação com ética e a qualidade da marca Sindasp-SP. Garanto que hoje temos a melhor estrutura sindical do sistema prisional, e com menor mensalidade.
No entanto, ainda não estamos satisfeitos, queremos fazer mais, queremos fortalecer nossa luta e tornarmos a melhor e maior entidade sindical do Brasil.
Acreditamos em grandes conquistas e vitórias para a categoria. Queremos todas as unidades prisionais do Estado automatizadas, o reconhecimento da categoria através da aprovação da PEC 308/04, equipamentos e estrutura para o desenvolvimento de nossas funções e salários dignos para termos ainda mais orgulho de sermos ASPs.
Porém, para conquistarmos tudo isso, precisamos de seu apoio, pois somente poderemos fazer mais se você estiver ao nosso lado, como nosso filiado (filie-se diretamente pelo site). Juntos, somos mais fortes para conquistar melhorias para a categoria.
Filie-se ao Sindasp-SP e compare nosso trabalho de perto, se não gostar, peça a desfiliação a qualquer momento. Junte-se à família Sindasp-SP.

Um grande abraço a todos

DANIEL GRANDOLFO

Presidente do SINDASP-SP


(Publicado na Edição nº 32 do Jornal do Sindasp-SP)

Garantia de vida no trabalho e um sistema penitenciário que garanta nossa integridade física, é tudo que queremos!

Lamentavelmente, quase todas as semanas temos agressões a agentes de segurança penitenciária (ASP) em seus locais de trabalho. Tais fatos provocam transtornos psicológicos irreparáveis, além do mais, vidas são destruídas e famílias arruinadas.

Poderia citar exemplos de vários companheiros que nos procuraram e que trazem marcas profundas de sequelas psicológicas para os restos de suas vidas. Alguns choram constantemente, outros se embrenharam no alcoolismo para tentarem aliviar os transtornos oriundos das agressões quando exerciam dignamente suas funções.

Na semana passada, estive com um ASP que, após ter sido refém, não mais consegue falar. Ao olhar para essa situação, cheguei a conclusão que tudo o precisamos é de garantida de vida no trabalho! O estado é obrigado a nos conceder o mínimo, e esse mínimo é a garantida da nossa integridade física! Temos esse direito. Se observarmos, as mineradoras e empresas da área da construção, e de tantas outras, são obrigadas a investirem na segurança de seus trabalhadores, e com o estado não pode ser diferente! Inclusive, gostaria de contar com o apoio das CIPAs das unidades para que se unam à luta do Sindasp-SP.

Quero ressaltar que o Sindasp-SP tem lutado com todas as forças para que tenhamos um sistema penitenciário que garanta nossa integridade física e nossa vida. Queremos e necessitamos da automatização das unidades, custe o que custar! Precisamos exercer nossa profissão sem correr o risco de sermos feitos reféns, espancados ou até mesmo mortos. Ao final do expediente, queremos a garantia de que retornaremos para casa. Será que isso é pedir muito ao governo do estado mais rico do Brasil?

Vamos juntos levantarmos essa bandeira para enfim conquistarmos um sistema penitenciário seguro e que nos de garantia de vida, independente de qual seja o sistema, mecânico ou automático, a ser implantado. Queremos não mais ter medo de sair de casa para trabalhar. Do que adianta termos melhores salários se não pudermos usufruir ou retornarmos são e salvos para nossas casas e nossas famílias? Vamos juntos construirmos uma nova história para o sistema penitenciário. E você, vai fazer parte dela?

Um grande abraço a todos

DANIEL GRANDOLFO

Presidente do SINDASP-SP


(Publicado na Edição nº 31 do Jornal do Sindasp-SP)

DESAFIOS GIGANTES PARA 2012

Após inúmeras agressões sofridas pelos ASPs em suas unidades de trabalho e uma série de denúncias do Sindasp-SP, fomos até o secretário Lourival Gomes expor algumas ideias visando melhorar a segurança dos servidores e também do sistema.

O secretário nos atendeu muito bem e manifestou seu apoio à nosso proposta de automatização das unidades prisionais, que aliás, vinha sendo reivindicada há muitos anos (leia reportagem na página 03).

Esse foi apenas o primeiro passo, mas já é uma etapa importante para a transformação do sonho em realidade. No entanto, ainda pairam muitas dúvidas: como será a automatização? Como vai funcionar a manutenção? Será suficiente para garantir a segurança? Entre tantas outras.

A verdade é uma só: se em países desenvolvidos a automatização funciona, aqui no Brasil a tendência também é funcionar, já que não somos menos inteligentes que os “gringos”.

A automatização é uma luta antiga e original do Sindasp-SP. Fomos os primeiros a levantar essa bandeira e temos a convicção de que, se garantirmos a integridade física dos ASPs, poderemos garantir a disciplina nas unidades.

Nos países desenvolvidos a prioridade do sistema penitenciário é garantir a vida e a segurança do servidor, e depois a do preso. É por isso que buscamos tanto a automatização das unidades, para que tenhamos mais segurança no trabalho, e isso é o mínimo que o Estado nos pode oferecer.

O Sindasp-SP tem desempenhado um papel fundamental nas lutas e conquistas da categoria. Fomos os primeiros a acabar com a “verdade sabida” e a levantar a bandeira do porte de armas aos ASPs. Defendemos o ressurgimento da PEC 308/04 (Policia Penal) e apoiarmos o GIR,  a folga SAP, o porte de armas para os motoristas, entre tantas outras lutas que demos início.

Em 2012 estamos dispostos a levantar a bandeira da automatização e a lutar com todas as nossas forças para garantirmos mais segurança no trabalho, já que, com a abertura das celas no modo mecânico os ASPs não serão expostos ao grande risco que hoje vivem diariamente.

Outra luta para 2012 será a do reajuste do ticket-alimentação, há 9 anos sem reajuste, bem como a retirada do teto. Defendemos a união, para juntos com as demais entidades sindicais do sistema prisional lutarmos unificadamente e defendermos uma pauta única, para uma negociação única e, se for o caso, uma paralisação unificada. Juntos teremos ainda mais força para enfrentarmos os desafios gigantescos da categoria.

Um grande abraço a todos

DANIEL GRANDOLFO

Presidente do SINDASP-SP


(Publicado na Edição nº 30 do Jornal do Sindasp-SP)

ASP COM MUITO ORGULHO

Este é nosso primeiro contato através do jornal impresso e do blog como presidente do SINDASP. Aos que não me conhecem, faço questão de me apresentar: sou Daniel Grandolfo, presidente do Sindasp-SP. Anteriormente ocupei o cargo de diretor de Comunicação da instituição. Sou ASP, com muito orgulho desde 2002. Sou formado em Direito e, embora alguns pensem que devido à graduação eu tenha trabalhado na área administrativa, isso não condiz com a realidade, pois sempre trabalhei no “fundão” das unidades.

Como é do conhecimento da grande maioria, desde 3 de outubro, assumi a presidência do Sindasp-SP juntamente com a nova Diretoria Executiva e o Conselho Fiscal. É com muita alegria, dedicação e responsabilidade que assumo tal função para que, com muito trabalho, cresçamos juntos, como instituição e categoria. Sabemos que muito foi feito, no entanto, quando olhamos para a realidade da categoria, observamos que ainda há muito por se fazer. O meu desejo é alavancar a instituição, desenvolvê-la e dar um salto para o futuro.

Lamentamos ainda não estarmos em todas as regiões e unidades prisionais do Estado, no entanto, estamos trabalhando para melhor atender aos nossos filiados. Inauguramos novas sedes em Lucélia (13/10), Andradina (27/10), São José do Rio Preto (17/11) e em janeiro de 2012 será vez da sede de Sorocaba, entre mais outras três que serão inauguradas até o final do próximo ano. Nosso desejo é de que as 149 unidades prisionais do Estado conheçam a eficiência e a intensidade do nosso trabalho. Estamos nos organizando para abrirmos sedes em todas as regiões e termos representantes em todas as unidades do Estado. E para isso, você é peça fundamental!

A verdade é que, quanto mais organizado estivermos, mais poderemos exigir nossos direitos, já que nem sempre o Estado os cumpre. Ainda há infinitamente muito que melhorar nas condições de trabalho e salariais. Organizados, chegaremos lá!

Mesmo sem o devido valor, construímos, por exemplo, um GIR e um serviço de inteligência que hoje são referências em todo o mundo. Estamos conquistando cada vez mais nosso espaço, e isso graças a você que não desistiu!

É esse mesmo crédito que peço que você dê ao Sindasp-SP. Continue acreditando em nosso trabalho e ainda mais agora, nesses novos tempos, com a nova diretoria. Estamos construindo uma entidade forte, pois essa é a única maneira legal de garantirmos dignidade de salário e segurança no trabalho. Vamos lutar para conquistar o devido respeito que nossa classe merece, e para isso, você é o nosso pilar.

Queremos que você se orgulhe de ser ASP e filiado ao Sindasp-SP. Em 30 dias de mandato tivemos a adesão de mais de 500 novos filiados, inauguramos as novas regionais, planejamos inaugurar outras, firmamos diversos novos convênios com vantagens significativas aos filiados, contratamos quatro novos advogados, e tudo isso para melhor atender você nosso filiado! E ainda há muito mais vindo por aí, aguardem!

Agradeço a Deus pela oportunidade de liderar essa entidade e peço ao Senhor sabedoria para conduzi-la. Agradeço ainda à Diretoria Executiva que vem trabalhado incansavelmente a meu lado para obtermos tais vitórias. Finalizo com meu apelo para que você que ainda não é filiado ao Sindasp-SP, venha conhecer nosso trabalho. Vamos construir uma instituição forte, em tamanho e qualidade. Você merece!

Um grande abraço a todos

DANIEL GRANDOLFO

Presidente do SINDASP-SP

menu
menu