Duas agentes fazem parto em esposa de detento durante visita na Penitenciária de Junqueirópolis

Carlos Vítolo Jornalista/Assessor de Imprensa do Sindasp.

imprensa@sindasp.org.br

® © (Direitos reservados. A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura do jornalista e do Sindasp-SP, mediante penas da lei.)

“Deus nos escolheu para aquele momento”. Foi assim que a agente de segurança penitenciária (ASP), Fabiana Cenedezi, classificou o parto realizado por ela e sua companheira de trabalho, Élida Morelin, no último sábado (3) em uma visitante da Penitenciária de Junqueirópolis.

Fabiana contou à reportagem do Sindasp-SP que, por volta das 12h do último sábado, uma visitante que estava em um dos raios da unidade começou a reclamar de uma forte dor. Foi solicitada a ajuda de Fabiana e Élida até o local para acompanhar a visitante e verificar o que estava ocorrendo.

Ao chegarem no raio, as funcionárias encontraram a visitante sentada em uma cadeira e sentindo dor. De acordo com Fabiana, perguntaram à visitante se ela estava grávida, e a resposta foi negativa. Imediatamente solicitaram uma ambulância para conduzir a visitante até a Santa Casa de Junqueirópolis.

No entanto, quando Fabiana, Élida e o motorista da ambulância, Moacir Anastácio, colocavam a visitante na maca, a mesma disse que estava sentindo alguma coisa saindo e as funcionárias perceberam que a visitante estava entrando em trabalho de parto, e foi possível observar a cabeça da criança. Imediatamente as duas funcionárias realizaram o parto e nasceu uma menina. O motorista conduziu a ambulância à Santa Casa de Junqueirópolis para o corte do cordão umbilical e os outros procedimentos normais.

“Não tinha nenhuma experiência e nenhum preparo em parto, mas na hora não tem jeito, fizemos por instinto. O lado humano fala mais alto”, disse Fabiana à reportagem do Sindasp-SP.  

Diante de tantas situações difíceis vivenciadas no dia dos agentes penitenciários, esse fato inusitado, sem dúvida nenhuma, merece ser destacado.

O Sindasp-SP parabeniza as duas agentes femininas, bem como o motorista da ambulância, que mesmo sem experiência, não mediram esforços e atuaram brilhantemente na realização do parto.

menu
menu