Coronel Nivaldo Restivo visita presídios em Israel

A fim de modernizar unidades prisionais de São Paulo, secretário conhece novas tecnologias no sistema carcerário israelense

O governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Administração Penitenciaria (SAP), estuda o constante aperfeiçoamento do sistema penitenciário. Na última semana de maio, o secretário Nivaldo Cesar Restivo buscou esse objetivo em Israel, avaliando de perto o que se pratica naquele país.

A viagem teve três objetivos: conhecer as ações de reintegração social e divisão por perfil de presos,
comparando com o que já é feito no Estado de São Paulo; verificar as soluções tecnológicas disponíveis para melhorar as condições de trabalho dos funcionários, aumentando a proteção das unidades prisionais e ainda atualizar conhecimentos sobre itens empregados na área de inteligência.

Em São Paulo, um problema constante, são criminosos que usam drones para tentar levar celulares e drogas aos presídios. Em Israel, chamou a atenção do secretário da SAP a ferramenta utilizada no combate a esses equipamentos, que se faz por meio de sistemas de vigilância e detecção em perímetro, incluindo novas tecnologias disponíveis em Circuito Fechado de TV (CFTV). “Ainda conhecemos grupos especiais que atuam nos presídios e que podem render boas parcerias no campo do treinamento”, explica Restivo, que ficou de 24 a 31/05 naquele país.

Para criminosos comuns, que não atentem contra Israel, o cumprimento da pena é focado na reintegração social do infrator. Quem tem dependência de drogas, recebe tratamento adequado à sua necessidade de recuperação. Aquele que não concluiu o equivalente à educação básica, é obrigado a concluí-lo e, na sequência inicia a formação profissionalizante, tudo no interior da prisão.

A entidade responsável pela gestão do trabalho dos presos chega a promover encontros de ex-presidiários com o empresariado local para estimular a contratação dos já qualificados.

Apesar das diferenças de tamanho - São Paulo tem mais de 230 mil presos sob custódia, enquanto Israel tem cerca de 15 mil, incluindo menores infratores - as boas práticas daquele país se assemelham ao trabalho desenvolvido pelo Governo Paulista, porém com algumas estratégias que podem aperfeiçoar o que já é feito.


Fonte: Assessoria de Imprensa – SAP

menu
menu