Agentes penitenciários são excluídos das regras especiais concedidas aos policiais civis por relator da Previdência

Carlos Vítolo Jornalista/Assessor de Imprensa do Sindasp.

imprensa@sindasp.org.br

® © (Direitos reservados. A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura do jornalista e do Sindasp-SP, mediante penas da lei.)

Os agentes de segurança penitenciária (ASP) foram excluídos das regras especiais concedidas aos policiais civis, com idade mínima de 55 anos, no relatório da reforma da Previdência. O relatório foi apresentado ontem à noite na comissão especial e deve ser votado a partir do dia 2 de maio. Na próxima semana o texto será discutido por três dias.

Durante a leitura do relatório na sessão da Câmara, o relator da reforma, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), divulgou uma errata esclarecendo que os agentes penitenciários não foram incluídos nas regras especiais.

De acordo com o relator, serão revistas as regras de transição para os servidores públicos que entraram no sistema até 2003 porque as regras propostas não estariam respeitando a "expectativa de direito" destes servidores.

Vale lembrar que os policiais tiveram a idade da aposentadoria diminuída para 55 anos após um protesto realizado na terça-feira (18), em tentativa de invadir a Câmara, onde ocorreu confronto com a Polícia Legislativa.

Segundo Maia, as regras dos policiais já vinham sendo negociadas separadamente. O deputado condenou a manifestação dos policiais que resultou na quebra de vidros da entrada do Congresso.

O presidente do Sindasp-SP, Daniel Grandolfo, lamentou a decisão do relator e disse que “estão fazendo um verdadeiro massacre” contra os agentes penitenciários. “Já fomos proibidos de fazer greve, estamos indo para o quarto ano sem reposição salarial e o governo já disse não vai dar nada esse ano. Ou a categoria acorda, ou nós vamos chorar lágrimas de sangue nos próximos anos”, desabafou o presidente.

menu
menu