Diretores do Sindasp visitam unidades da Baixada

As reclamações unânimes foram sobre a falta de reposição salarial e de funcionários

Carlos Vitolo Jornalista/Assessor de Imprensa do Sindasp.

imprensa@sindasp.org.br

® © (Direitos reservados. A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura do jornalista e do Sindasp-SP, mediante penas da lei.)

A regional da Baixada Santista deu início a uma série de visitas nas unidades prisionais de todo o litoral. Na quarta-feira (7) os diretores da regional, Marcio Assunção e Paulo Venceslau, acompanhados pelo Diretor de Regionais da Executiva, Gilmar Pereira (Índio) e do funcionário Alex Sandro, estiveram no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Praia Grande.

Nesta quinta-feira (8), Marcio Assunção e Fabrício Amado continuaram a visita no Centro de Progressão Penitenciária (CPP) de Mongaguá e nas Penitenciárias I e II de São Vicente. Resta apenas a visita ao CDP de São Vicente.

Segundo o diretor do Sindasp-SP, Marcio Assunção, os agentes penitenciários apontaram diversos problemas vividos nas unidades, mas a unanimidade foi sobre a falta de reposição salarial e de funcionários. Conforme o diretor, “todas as unidades, excetuando-se os CDP’s, tiveram aumento de população carcerária por conta de expansão da estrutura dos prédios, inclusive de superpopulação e a quantidade de funcionários permaneceu a mesma”, disse.

Sobre o Projeto de Lei Complementar (PLC) 1/2018, que trata do reajuste dos agentes de segurança penitenciária (ASP), que tramita na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), propõe apenas 3,5% de reajuste salarial, enquanto que aponta porcentuais diferenciados para os professores de 7% e 4% para as Polícias Civil e Militar. O projeto é autoria do governador Geraldo Alckmin.

Com o objetivo de melhorar essa porcentagem de 3,5% proposta pelo governo, diretores do Sindasp-SP visitaram diversos deputados na Alesp pedindo apoio dos parlamentares para aumentar o índice de reajuste.

menu
menu