Penitenciárias de Florínea e Assis começam ser automatizadas

Automatização, uma conquista do Sindasp para os ASPs

Carlos Vitolo Jornalista/Assessor de Imprensa do Sindasp.

imprensa@sindasp.org.br

® © (Direitos reservados. A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura do jornalista e do Sindasp-SP, mediante penas da lei.)

Teve início nesta segunda-feira (5) o processo de automatização das penitenciárias de Florínea e Assis. A informação é do diretor de Saúde do Sindasp-SP, Carlos Peretti, que trabalha em Florínea. As duas unidades pertencem à Coordenadoria das Unidades Prisionais da Região Oeste do Estado (Croeste).

Segundo o site da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), a unidade de Florínea tem capacidade para 847 presos, mas atualmente conta com uma população de 1072. Já a penitenciária de Assis, tem capacidade para 288, mas tem uma população de 373.

A automatização das unidades prisionais foi proposta pelo Sindasp-SP ao secretário da Administração Penitenciária, Lourival Gomes, em janeiro de 2011. O objetivo da automatização foi colocar fim às agressões sofridas pelos agentes de segurança penitenciária (ASP) e garantir a integridade física dos servidores.

O início da automatização das unidades prisionais foi anunciada pelo secretário 7/12/2012, durante visita à sede estadual do Sindasp-SP em Presidente Prudente.

O processo de automatização teve início na Penitenciária “ASP Adriano Aparecido de Pieri” de Dracena, onde o projeto foi testado e aprovado, tornando a unidade a primeira 100% automatizada no Estado.

menu
menu