Coronel da PM-MG, Amauri Meireles, encaminha artigo ao Sindasp e retrata que recomendação da ONU para extinção da PMs seria um equívoco

0
43

 

O ex-comandante da Região Metropolitana de BH, Coronel da Reserva da PMMG, Amauri Meireles, encaminhou um artigo ao Sindasp-SP, onde retrata a questão de que a ONU teria recomendado a extinção das PMs. Segundo o coronel, houve um equívoco e a ONU não teria feito tal recomendação. O que teria ocorrido, segundo Meireles, é que alguém traduziu erradamente trecho do relatório do ACNUDH e uma notícia falsa foi repercutida.

 

 

O conteúdo dos artigos publicados são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as ideias pessoais dos mesmos, não cabendo ao Sindasp-SP qualquer responsabilidade.


 

A ONU e as PMS

(*) Amauri Meireles

 

 

A mídia, em geral, a partir de 31 de maio passado, difundiu a notícia de que o Conselho da ONU, atendendo proposta da Dinamarca, teria recomendado, ao Brasil, a extinção das Polícias Militares (PMs).

 

Conhecendo essa instituição secular de proteção da sociedade, particularmente a de Minas Gerais, patrimônio do povo mineiro, e desconhecendo as razões que teriam levado aquele órgão a se intrometer em nossas questões internas, num primeiro momento, no impulso, a recomendação foi tida como inconveniente, inoportuna, inconseqüente, intempestiva, irresponsável até. Certamente, um enquadramento muito forte, muito severo com ambas instituições.   

 

E, para não ocorrer precipitações, a própria PM ensina a se trabalhar com fatos e não com versões, o que sugere buscar-se a origem, o sítio da ONU. Pesquisando-se, chega-se ao Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH – www.ohchr.org). À medida que se aprofunda na pesquisa, constata-se, cristalinamente, que a extravagante notícia não foi um furo, mas, uma barrigada (no jornalismo, é a divulgação de uma notícia falsa como sendo um furo de reportagem). É que, em momento algum, o representante da Dinamarca sugere a extinção das PMs e, por via de conseqüência, o Conselho da ONU também não o fez. Aliás, nem se fazia presente, pois, os trabalhos eram dirigidos pelo ACNUDH.

 

O fato é que alguém traduziu erradamente trecho do relatório do ACNUDH e, no efeito dominó, foi derrubando quem repercutiu a notícia falsa. Esse relatório, Universal Periodic Review – UPR, é o ápice de uma metodologia utilizada pelo Alto Comissariado para identificar a real situação em que estão os Direitos Humanos, nos países da ONU, seguindo-se recomendações para correções. O primeiro relatório, referente ao Brasil, foi produzido em 2008 e apresentou 15 (quinze) sugestões. O segundo foi divulgado na 13ª Sessão¸de 30 de maio, em Genebra, Suíça, com a presença da ministra Maria do Rosário, chefiando uma delegação de 40 (quarenta) membros, que, ao final, trouxe, como dever de casa, 170 (cento e setenta) recomendações para o Brasil.

 

Para chegar a esse relatório, o ACNUDH envia ao país um Relator Especial, um observador, que coleta informações de instituições públicas e privadas, apresentando sínteses periódicas, que se juntam a comunicações recebidas diretamente na sede. O relator especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias, Philip Alston, apresentou, em 26 de maio de 2010, o andamento de cada recomendação anteriormente encaminhada, de onde extraímos: 4. In the longer term the Government should work towards abolishing the separate system of military police. This recommendation has not been implemented, although it is presently being discussed by officials. 5. The federal Government should implement more effective measures to tie state funding to compliance with measures aimed at reducing the incidence of extrajudicial executions by police. This recommendation has not been implemented, ou seja, em tradução livre: 4. 4.    A longo prazo, o Governo deve trabalhar para acabar com o separate system of military police.sistema independente de polícias militares. This recommendation has not been implemented, although it is presently being Esta recomendação não foi implementada, embora esteja atualmente sendo discussed by officials. discutida por funcionários. 5. 5.O Governo Federal deve implementar medidas mais eficazes para vincular financiamento estatal funding to compliance with measures aimed at reducing the incidence of extrajudicialao cumprimentlo das medidas destinadas a reduzir a incidência de execuções extrajudiciais executions by police. pela polícia. This recommendation has not been implemented. Esta recomendação não foi implementada.

 

O surpreendente é que essas duas observações aparecem fundidas nas Conclusões do UPR, como sendo uma recomendação proposta pela Dinamarca e acatada pelo ACNUDH: 119.60. Work towards abolishing the separate system of military police by implementing more effective measures to tie State funding to compliance with measures aimed at reducing the incidence of extrajudicial executions by the police (Denmark). Trabalhar para abolir o sistema independente de polícia militar implementando medidas mais efetivas para assegurar financiamento estatal para cumprimento de medidas destinadas à redução da incidência de execuções extrajudiciais pela polícia (Dinamarca).

 

Interessante observar, ainda, que esse relatório enfoca, quase na totalidade, questões específicas do eixo Rio-São Paulo, o que, em absoluto, não representa a realidade, em outros Estados, da insegurança gerada pela criminalidade violenta. Ratificando a observação de desconhecimento de nossa ampla e diversificada realidade social, veja-se a recomendação da Austrália: 119.62. That other state governments consider implementing similar programs to Rio de Janeiro’s UPP Police Pacifying Unit (Australia), isto é, que outros governos estaduais considerem implementação de programas similares às UPP do Rio de Janeiro. Ora, UPP integra um específico esforço do Estado para ocupar espaços peculiares, então controlados por marginais, em razão de ausência ou distopia estatal. 

 

Enfim, a questão, aqui, ficou restrita à supressão gradual do que chamaram trabalho independente das polícias militares. Obviamente, por não saberem que, no Brasil, o espectro institucional contempla as polícias Administrativas (inúmeras), a Ostensiva (a PM), a Judiciária (a Polícia Civil), a de Desastres (Corpo de Bombeiros Militar) e a Penal (com a Custódia e Ressocialização de apenados). As chamadas Polícias Militares são instituições seculares que exercem atividades civis de proteção social e são forças garantidoras dos poderes estaduais constituídos. O que não é muito bem compreendido aqui dentro (imagine-se lá fora?!…). 

 

Conforme as conclusões do relatório do ACNUDH, as 170 (cento e setenta) recomendações serão examinadas pelo Brasil, que irá fornecer respostas em devido tempo, mas não depois da XXI sessão do Conselho de Direitos Humanos, o mais tardar em setembro de 2012. Será uma exaustiva tarefa para a ministra Maria do Rosário.

 

Quanto à recomendação 60, sugiro que a ministra trabalhe para mudar cognomes para nomes que, efetivamente, identifiquem as instituições e acabem com o entendimento equivocado de haver, nos Estados, apenas duas polícias e “fazendo a mesma coisa”. Polícia Militar para Força Estadual e Polícia Civil (todas, exceto as PMs, são civis) para Polícia Judiciária Estadual. Certamente, o relator e o Alto Comissariado entenderão porque as polícias no Brasil são independentes e, desse modo, devem continuar. Evidentemente, se nossos casmurros assim compreenderem, antes!…

 

Fonte: (*) Coronel da Reserva da PMMG, ex-comandante da Região Metropolitana de BH

                                                         

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.