Em reunião com Grandolfo, deputado Paulinho diz que pedirá ao governador aprovação das emendas, negociação da pauta 2014 e concessão do bônus

0
33

 

 

O presidente do Sindasp-SP, Daniel Grandolfo, esteve reunido na manhã desta terça-feira (27) com o deputado federal Paulo Pereira, o Paulinho da Força, em São Paulo.

 

O objetivo da reunião foi pedir apoio ao parlamentar para que as emendas elaboradas pelo Sindasp-SP e anexadas aos Projetos de Lei Complementar (PLCs) 18 e 19/2014, que tramitam na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), sejam aprovadas.

 

Grandolfo também conseguiu o apoio do deputado para o início das negociações das reivindicações da pauta 2014 da categoria, que já se encontra nas mãos do governador. O deputado também intermediará junto ao governador o início dos trabalhos visando a criação do “bônus de assiduidade”, que será concedido anualmente, nos mesmos termos e critérios concedido à Polícia Militar.

 

Durante a reunião de negociação que acordou o final da greve, em 26/3, ficou definido o prazo de 60 dias para ser criar um grupo de trabalho, com a participação do Sindasp-SP, para estudar a criação do bônus. Como até o momento o governo não se manifestou, Grandolfo solicitou a intermediação do parlamentar.

 

Emendas: continuam tramitando as três emendas elaboradas pelo Sindasp-SP e protocoladas na Alesp pelo deputado estadual Alex Manente, líder do PPS na Casa e aliado à base do governo. As Emendas foram criadas pelo Diretor Jurídico do Sindasp-SP, Rozalvo José da Silva, e entregues pessoalmente ao deputado pelo Secretário Geral do sindicato, Cícero Félix, que também é vereador em Santo Anastácio, pelo PPS. Os documentos foram anexados aos Projetos de Lei Complementar (PLCs) 18 e 19/2014, de autoria do governador Geraldo Alckmin (PSDB), que tratam do acordo firmado com a categoria durante a greve de 15 dias, realizada entre 10 e 26/3.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.