Exército publica no Diário Oficial regulamentação do uso de armas de calibre restrito para ASP

0
19

 

 

O Comandante Logístico do Exército, general Marco Antônio de Farias, publicou no Diário Oficial da União (DOU) a Portaria nº 16/2015, do Comando Logístico do Exército (Colog), de 31/3/2015, que regulamenta o uso de armas de calibres restrito pelos agentes de segurança penitenciária (ASP).

 

O documento estabelece normas para a aquisição, na indústria nacional, registro, cadastro e transferência de propriedade de arma de fogo de uso restrito, para uso particular, pelos ASPs.

 

O Artigo 2º da publicação destaca que os agentes penitenciários poderão adquirir, para uso particular, uma arma de uso restrito, entre os calibres .357 Magnum, .40 S&W ou .45 ACP, em qualquer modelo, na indústria nacional ou por transferência.

 

Em relação à aquisição das munições correspondentes, o Artigo 3º destaca que será de acordo com a forma prevista na Portaria no 1.811 do Ministério da Defesa (18/12/2006). Conforme a norma, a autorização para aquisição de arma de fogo e munições de uso restrito é concedida pela Região Militar (RM), que é quem está encarregada de fiscalizar os produtos controlados.

 

A solicitação de autorização deve ser enviada para a RM por intermédio do órgão de vinculação de quem estiver adquirindo. Segundo o presidente do Sindasp-SP, Daniel Grandolfo, esse órgão de vinculação é a unidade prisional onde o servidor exerce suas funções.

 

A norma determina que a indústria nacional envie a arma solicitada pelo ASP para a RM que autorizou a aquisição ou organização militar indicada, e cadastrar os dados da mesma no Sistema de Controle Fabril de Armas (SICOFA). O registro e o cadastro da arma no Sistema de Gerenciamento Militar de Armas (SIGMA) e a expedição do CRAF são encargos da RM.

 

Conforme o Artigo 15, o proprietário de arma de uso restrito que vier a falecer, for exonerado ou tiver o seu porte de arma cassado, deverá ter a arma recolhida e ser estabelecido prazo de sessenta dias, a contar da data da certidão de óbito, exoneração ou cassação do porte para a transferência da arma para quem esteja autorizado a adquirir ou para recolhimento à Polícia Federal.

 

Em casos de arma extraviada, furtada, roubada ou perdida, o proprietário somente poderá adquirir uma nova arma de uso restrito após comprovar que não houve imperícia, imprudência ou negligência, bem como indício de cometimento de crime.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.