Homem morre em tentativa de homicídio de agente penitenciário

0
73

(Veja no final o comentário do presidente do Sindasp-SP, Daniel Grandolfo)

 

Quatro homens tentaram matar um agente penitenciário neste sábado, em Praia Grande e, na troca de tiros durante a perseguição, um deles acabou morto. Outro membro do grupo era procurado pela Justiça. A vítima fatal ainda não havia sido identificada até o fechamento desta edição.

 
O alvo dos marginais era José Bezerra da Trindade, de 51 anos, agente penitenciário do CPP de Mongaguá. Na tarde de sábado, ele estava na Adega Nova Vida, localizada na Avenida Marginal, no Parque das Américas, quando foi surpreendido pelo grupo.
 
Eles chegaram em um Ford Fiesta preto, de placas DOR-6766, de Carapicuíba. O automóvel pertence ao motoboy Cícero Martins Nogueira, de 23 anos. Ele estava ainda com André Aparecido Pacheco, de 21 anos, e Adriano Luís da Silva, de 27 anos e com outro rapaz não identificado.
 
Este membro do grupo não identificado entrou na adega com outro rapaz e se dirigiu ao balcão. Eles se passaram por clientes e perguntaram o preço da cerveja a um atendente. Mas o objetivo era identificar o agente penitenciário, que saía naquele momento para pegar a carteira em seu carro.
 
Quando a dupla teve a certeza de que se tratava de José Bezerra, um deles sacou um revólver Taurus, calibre 38, e atirou, acertando o parabrisa do carro do agente penitenciário. Ele revidou os disparos, atingindo um dos indivíduos. O grupo conseguiu fugir no Ford Fiesta.
 
Helicóptero
 
José Bezerra acionou o Copom passando as descrições do veículo e dos indivíduos. O helicóptero Águia, da Polícia Militar, localizou o Fiesta e passou a informação para que fosse feito o cerco.
 
O soldado De Souza e o sargento Trigo ordenaram para que o Fiesta parasse e fizeram a revista. Eles encontraram com André Aparecido Pacheco uma pistola Taurus, calibre 38, sem numeração e com duas cápsulas deflagradas. A pesquisa feita no Copom identificou André como fugitivo do CPP de Mongaguá.
 
Camisa do Rooney
 
A PM tinha recebido a informação da entrada de um homem, ferido a bala, no Pronto-Socorro do Quietude. Ele tinha sido deixado no local pelos três rapazes do Fiesta, estava sem documentos e não resistiu ao ferimento.
 
José Bezerra não teve dúvidas em identificar esse rapaz como o autor dos disparos contra ele, não só pelas características, mas pela camisa que usava: a da seleção inglesa de futebol, com a inscrição do jogador Rooney, com o número 9.
 
O flagrante de tentativa de homicídio foi registrado pelo delegado Luiz Fernando Zambrana Ortiz, que determinou a apreensão das duas pistolas Taurus (a usada por André, sem identificação, e a do agente penitenciário, registrada regularmente).
 

Fonte: Jornal "A Tribuna" 28/11/2011

__________________
IMPRENSA SINDASP-SP
 
Sindasp-SP: Aproveitando a oportunidade da reportagem do jornal "A Tribuna", o presidente do Sindasp-SP, Daniel Grandolfo, destacou a importância do porte de arma para a categoria. "Muitas vezes, alguns agentes de segurança penitenciária (ASP) não valorizam muito o porte de arma achando que tal situação só ocorre com os outros, no entanto, essa é uma situação clara que ocorre constantemente devido ao risco da função que exercemos, por isso, é fundamental que o ASP tire seu porte e adquira uma arma. Inclusive, temos até convênio para facilitar a compra de vários tipos de armas", disse o presidente. Grandolfo  destacou ainda que esse não é o primeiro e não será o último caso de tentativa de assassinato de agentes penitenciários, o que fortalece ainda mais a ideia de que é necessário o porte de arma. "Esse não é o primeiro ASP que consegue se defender e salvar sua vida por possuir o porte de arma", finalizou o presidente. 
 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.