Movimento protesta contra tarifas abusivas de pedágio

0
26

Carlos Vitolo
Assessor de imprensa do Sindasp-SP

Desde a 0h desta quinta-feira (1º), as tarifas das praças de pedágio estão mais caras. As tarifas são cobradas nas rodovias que estão em concessão no Estado de São Paulo, o que chega a 5.306 km de malha viária. O reajuste das tarifas chega a 5,25% e foi aprovado pela Agência Reguladora de Serviços Públicos de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp).

Indignados com mais um aumento, o movimento pela redução da tarifa abusiva do pedágio realizou uma manifestação na rodovia Raposo Tavares, em Presidente Venceslau. O movimento teve início com uma carreata que partiu do ?Posto Raposão? e seguiu em direção ao centro do município de Presidente Venceslau. Em seguida, o movimento passou por Santo Anastácio e Presidente Prudente.

Participaram do protesto líderes sindicais, Ong?s, autoridades políticas e cidadãos dos municípios citados. Entre os participantes do ato estava o Sindasp-SP (Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de São Paulo), o Sindicato dos Bancários, os vereadores do município de Santo Anastácio, Cícero Félix de Souza e Jocelino José de Santana, a presidente da Ong ?Nós Podemos? Ana Claudia Berno, o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e membros da ASSDEC (Associação de Defesa dos Consumidores).

Enquanto à frente um carro de som explicava à população o motivo do movimento e do protesto, a carreata seguia com um ?buzinasso? e distribuição de panfletos explicativos e de conscientização.
O manifesto foi acompanhado de perto por um grande número de policias militares e rodoviários. Grande quantidade de viaturas foi destacada para acompanhar o protesto e, inclusive, um helicóptero que sobrevoou a concentração do movimento.

Inicialmente, o movimento, que é de ordem estadual, seria em Presidente Bernardes, mas uma liminar proibiu que o mesmo fosse realizado no município. Um dos coordenadores do movimento na da região, o vereador de Santo Anastácio, Cícero Félix de Souza, disse que o objetivo do ato foi questionar as abusivas taxas impostas pelas concessionárias que administram as rodovias paulistas e protestar contra o aumento que já está em vigor desde a 0h desta quinta-feira. O vereador disse ainda que a intenção do movimento ?não é extinguir, mas reduzir as tarifas abusivas dos pedágios. A manifestação é um repúdio?, finalizou.

Desde que o programa de concessões foi implantado em 1998, o Estado de São Paulo ganha um pedágio a cada 40 dias e, em média, os motoristas são obrigados a pagar uma tarifa a cada 48 quilômetros de estrada. Em relação aos valores, no município de Rancharia a tarifa foi de R$3,00 para R$3,15. Em Presidente Bernardes, a tarifa passou de R$4,40 para R$4,60. Em Regente Feijó foi de R$3,80 para R$4,00 e em Caiuá, de R$3,20 para R$3,35. A tarifa mais cara do Estado é a do Sistema Anchieta-Imigrantes, que passou de R$ 17,80 para R$ 18,50.

A presidente da Ong ?Nós Podemos?, Ana Claudia Berno, disse em seu discurso que as tarifas de pedágio no Estado é uma das caras do mundo. ?Isso é uma vergonha. Nós não temos que aceitar calados esse abuso de poder do governo estadual?, declarou.

Para o diretor de Comunicação do Sindasp-SP, Daniel Grandolfo, nossa região teve mais de 200% de aumento. Ele saiu em defesa dos os agentes penitenciários apontando que muitos utilizam as rodovias estaduais da região diariamente, o tem gerado grande prejuízo aos servidores. ?Este é mais um presente de grego do governo e que também atinge a categoria já que alguns agentes penitenciários chegam a desembolsar até R$160 mensais com as abusivas tarifas de pedágio?, apontou o sindicalista.


De acordo com o presidente do Sindasp-SP, Cícero Sarnei dos Santos, o valor das tarifas é uma vergonha. ?Estamos sendo explorados descaradamente?, disse. O diretor também ressaltou em seu discurso que, não bastasse os abusos das tarifas, o movimento vem sendo reprimido, já que foi impedido judicialmente de se manifestar na praça de pedágio de Presidente Bernardes. ?Infelizmente, hoje não existe democracia. Mais outubro está chegando [se referindo às eleições] e é o momento de darmos resposta a tudo isto. O voto é a ferramenta mais sagrada que temos, pois, o exercício da cidadania, que é garantido pela Constituição, a todo momento nos é tirado. A Constituição está sendo rasgada, essa é a verdade?, desabafou o dirigente. Sarnei disse ainda que além do valor exorbitante, existe um excesso de praças nas rodovias e citou as praças de pedágio de Regente Feijó e Rancharia, que medem exatamente 29,5 km entre elas.

💡Direitos reservados. É permitida a reprodução da reportagem em meios impressos e eletrônicos, somente com a citação do crédito do jornalista e da Instituição Sindasp-SP (sob pena da Lei 9.610/1998, direitos autorais).

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.