Policiais Penais, civis e militares de SP fazem novo protesto por melhores salários

0
847

Servidores da segurança pública de São Paulo realizaram nesta quinta-feira (18) mais um protesto por aumento salarial nas imediações do Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do estado, na Zona Sul da capital.

A categoria tem se manifestado desde o mês passado. Em outubro, dois atos foram realizados em frente ao Palácio da Polícia, no Centro da capital; um terceiro aconteceu nas imediações do Palácio dos Bandeirantes, e mais um protesto foi feito em frente à Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp).

Nesta quinta, por volta das 10 horas, um grupo de policiais militares, civis e policiais penais se reuniram na Praça Vinicius de Moraes, no bairro do Morumbi.

Entre os organizadores estavam o Fórum Penitenciário Permanente e a Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar (ACS).

Eles levaram faixas com as inscrições “Os policiais do estado de SP estão morrendo” e “Melhor polícia, com pior salário?”.

Além do aumento salarial, os manifestantes pedem uma solução para o déficit de servidores, que tem comprometido as atividades e a saúde das equipes.

Os manifestantes dizem que o panorama contraria uma das promessas de campanha do governador João Doria (PSDB), que se comprometeu a investir na recomposição da categoria ao assumir o cargo, em janeiro de 2019. A sigla do partido do governador tem sido usada nos protestos com as inscrições “Pior Salário Do Brasil”.

Segundo os policiais, a realização dos atos foi decidida após uma reunião da categoria com o deputado estadual bolsonarista Major Mecca (PSL).

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública informou que acompanhou o ato convocado pelo deputado e que não houve registro de ocorrências.

“Em relação às críticas, a atual gestão esclarece que investe continuamente na melhoria da carreira policial e na valorização dos profissionais, com respeito à responsabilidade fiscal. O salário foi reajustado no primeiro ano de governo, ampliadas as bonificações e os benefícios às categorias. As unidades policiais estão sendo modernizadas, sendo que 90 já tiveram suas obras concluídas e outras 129 estão com os projetos em andamento. Atualmente, as polícias de São Paulo contam com os melhores equipamentos e as mais modernas tecnologias disponíveis no combate à criminalidade, entre elas bodycams, drones, armas de incapacitação neuromuscular, fuzis, pistolas Glock e novas viaturas, incluindo 105 modelos blindados. São Paulo investiu também no combate aos crimes cibernéticos, com a criação de um departamento especializado.

O déficit apontado não tem lastro com a realidade. O Plano de recomposição de efetivos implementado pela atual gestão já permitiu a contratação de mais de 10 mil policiais e autorizou a contratação de outros 8.339 profissionais, que contam com todo apoio e suporte psicológico para o exercício da atividade policial”, diz a nota.

Problemas

Os agentes penitenciários dizem que estão há sete anos sem reajuste salarial, e um levantamento feito pelo Sindicato dos Delegados mostrava que o salário deles é o menor entre todos os estados e o Distrito Federal.

Outro levantamento da categoria identificou que dois policiais civis abandonam a carreira por dia, em média, no estado, e que o número de casos de suicídio entre policiais civis em São Paulo é três vezes maior do que o de mortes em serviço.

Em 2019, uma fiscalização do Tribunal de Contas do estado apontou uma série de problemas de infraestrutura e falhas no atendimento em 275 prédios que abrigam delegacias de polícia de todo o estado de SP.

Entre os problemas apontados pelo órgão, estava o fato de que mais da metade da frota das viaturas está sem revisão, 60% das delegacias apresentaram problemas estruturais e 83% não possuem Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros. Havia também infiltrações e vazamentos.

Fonte: G1

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.