Policiais provocam tumulto ao pressionar por aprovação de piso salarial

0
32

Policiais pressionaram pela aprovação de piso salarial da categoria e geraram tumulto na Câmara. A manifestação ocorreu, nesta quarta-feira, no corredor de acesso à sala da Liderança do Governo. Dezenas de policiais civis e militares cobraram do líder Cândido Vaccarezza (PT-SP) a imediata votação das propostas de emenda à Constituição (PECs 300/08, 340/09 e 446/09) que tratam do piso salarial para os policiais e bombeiros. A Polícia Legislativa chegou a ser acionada para conter os ânimos exaltados.

Apesar do tumulto, Vaccarezza disse que não houve agressão. ‘Eles estavam gritando lá fora. Eu passei entre eles. Não houve nenhuma agressão física comigo. Eu fui falar com eles porque eu acho que, aqui na Câmara, uma autoridade não pode se acovardar. Eles estavam exaltados e eu fui dizer qual era a posição do governo.?

Definição posterior

Vaccarezza disse que o governo defende a aprovação da proposta, mas com uma nova redação. O texto garante o direito de um piso salarial para policiais e bombeiros, mas o valor e os detalhes do fundo de onde sairão os recursos somente seriam definidos em um futuro projeto de lei complementar.

Esse projeto será enviado ao Congresso Nacional 180 dias após a promulgação da emenda constitucional. O líder do governo lembrou que a aprovação de uma PEC precisa dos votos favoráveis de, pelo menos, 308 deputados e explicou os motivos que dificultavam a apreciação da matéria nesta quarta-feira.

‘O governo tem uma redação e tem acordo. Eu quero votar o pré-salO termo pré-sal refere-se a um conjunto de rochas no fundo do mar com potencial para a geração e acúmulo de petróleo localizadas abaixo de uma extensa camada de sal. Os reservatórios brasileiros nessa camada estão a aproximadamente 7 mil metros de profundidade, em uma faixa que se estende por cerca de 800 km entre o Espírito Santo e Santa Catarina. e a PEC 300. O presidente da Câmara, Michel Temer, está viajando e quer votar esses temas com a presença dele?, ressalta o deputado. Ele disse que o governo não vê problemas na nova redação da PEC 300/08. ?Mas isso é um assunto do Colégio de Líderes e não está na pauta para hoje. A obstrução, não somos nós que estamos fazendo. É a oposição que está fazendo. E há poucos deputados na Casa’, acrescenta.

Pressão será mantida

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Rio de Janeiro, Fernando Bandeira, procurou minimizar o tumulto e garantiu que a pressão sobre os parlamentares será mantida até a votação da PEC. ‘Nós estamos aqui quase toda semana, acompanhando junto às comissões, junto às lideranças do governo e da oposição e chegamos até a abrir mão de vários benefícios da PEC 300?, observa.

?O compromisso do governo era votar agora, dia 16. Fechamos o acordo na semana passada e hoje estamos aqui com centenas de companheiros do Brasil todo e vamos continuar vindo aqui até aprovar. Houve pequenos tumultos aqui, mas a gente espera que isso seja contornado.’

Fonte: AC
__________________
IMPRENSA SINDASP-SP
imprensa@sindasp.org.br

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.