Unidades para concessão de PPP estão localizadas em Caiuá, Aguaí, Santa Cruz da Conceição e Álvaro de Carvalho

0
58

Em reunião extraordinária do Conselho Diretor do Programa Estadual de Desestatização, a segunda do grupo, o secretário da Administração Penitenciária, Nivaldo Cesar Restivo, destacou que as unidades prisionais para a concessão da Parceria Público-Privada (PPP) estão localizadas em Caiuá, Aguaí, Santa Cruz da Conceição e Álvaro de Carvalho. É o que aponta o relato da ata publicada no Diário Oficial do último sábado (23). Ainda segundo a publicação, a reunião foi realizada no Palácio dos Bandeirantes no último dia 19.

Na reunião, segundo a ata, o secretário rememorou a proposta apresentada pela Pasta na primeira reunião ocorrida no último dia 5, de modelar uma primeira PPP envolvendo quatro unidades prisionais em construção pela SAP, adequada a um modelo híbrido com sinergia entre o público e o privado.

O secretário relatou ainda que “seriam necessárias algumas definições para estruturação da modelagem, principalmente quanto (i) à natureza e aos regimes a serem aplicados aos presídios e (ii) ao modelo de delegação mais oportuno ao interesse público”, descreve a publicação.

O Sindasp-SP é contra a privatização das unidades prisionais e, de acordo com o presidente Valdir Branquinho, o sindicato não medirá esforços para impedir que sistema prisional paulista seja gerido pela iniciativa privada.

Sindasp e Sindcop realizam assembleias contra a privatização

O Sindasp-SP e o Sindcop iniciaram uma série de quatro Assembleias Gerais dos agentes de segurança penitenciária (ASP) em uma luta unificada contra a privatização sistema prisional. A privatização foi anunciada pelo governador João Doria no mês passado. Segundo o governo, inicialmente sete presídios serão privatizados, quatro já estão em construção e mais três serão construídos nos próximos quatro anos, com capacidade para 12 mil detentos.

Além de unificar a luta contra a privatização, o objetivo das assembleias também é ouvir os servidores para definir uma pauta única de mobilização e de campanha salarial.

Reunião unificada: Diretores dos dois sindicatos estiveram reunidos no último dia 5, em Bauru, para definir a unificação da luta. Representantes dos dois sindicatos irão percorrer os gabinetes dos deputados estaduais, federais e senadores em busca de apoio contra a privatização. Entre as ações dos sindicatos, está a realização de audiências públicas nas Câmaras Municipais e na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo).

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.