ASP é agredido por detento e tem ponta do dedo arrancada por mordida no CDP de São Vicente

0
48

 

 

Mais um caso de agressão ocorreu contra agente de segurança penitenciária (ASP) dentro das unidades prisionais. Desta vez o fato aconteceu no Centro de Detenção Provisória (CDP) de São Vicente, na Baixada Santista.

 

De acordo com as informações, o funcionário foi agredido na manhã desta segunda-feira (14), por volta das 7h, na saída do raio nº 7, e teve a ponta do dedo arrancada por uma mordida do agressor.

 

Ainda segundo as primeiras informações, que serão apuradas posteriormente pela unidade, o detento teria tido um surto psicótico e tentou se matar. Ao perceber o fato, dois agentes penitenciários impediram a tentativa de suicídio e, quando tentavam dominar o detento, um dos funcionários teve a ponta do dedo arrancada por uma mordida.

 

Ao ser comunicado sobre o fato, imediatamente o Sindasp-SP encaminhou o Diretor Administrativo da Regional da Baixada, Fabrício Amado Cunha, para dar assistência ao funcionário agredido. De acordo com Cunha, o funcionário foi encaminhado ao hospital para o atendimento médico, passou pela perícia no Instituto Médico Legal (IML), registrou boletim de ocorrência e foi para casa para se recuperar.

 

O diretor disse ainda que o agressor já foi transferido e que o Grupo de Intervenção Rápida (GIR) entrou na unidade às 13h30 para uma revista.

Somente no mês de fevereiro, nove servidores foram agredidos por presos nas unidades prisionais, o que resultou em média em uma agressão a cada três dias. Desde o início do ano já são onze casos em todo o Estado. A maioria das vítimas sofreram lesões e ferimentos pelo corpo.

 

Com o objetivo de combater os casos de agressões, o Sindasp-SP luta pela automatização de todas as unidades prisionais do Estado. Desde dezembro de 2012 que projeto de automatização apresentado pelo do Sindasp-SP ao secretário de Estado da Administração Penitenciária, Lourival Gomes, está sendo aplicado nas unidades. Com o processo de automatização, os servidores têm a garantia e a segurança de não manter contato físico com os detentos ao abrir e fechar as portas das celas à distância, através de um painel eletrônico.

 

Até o mês de janeiro, de acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP), 42 unidades prisionais e um Anexo de Detenção Provisória (ADP) foram completamente automatizadas, outras dez prisões estão em processo de automação e 17 presídios já foram aprovados e também passarão pelo processo. O Sindasp-SP entrou em contato com a Assessoria de Imprensa da SAP para obter os dados atualizados, em relação a fevereiro, porém não teve a solicitação atendida.

 

Desde 22 de novembro de 2013, todas as novas unidades já são construídas automatizadas. A conquista foi do presidente do Sindasp-SP, Daniel Grandolfo, junto ao governador Geraldo Alckmin, durante a inauguração do CDP de Riolândia. Na ocasião, o governador aprovou a ideia do presidente e determinou que, a partir de então, todas as novas unidades deveriam ser construídas automatizadas.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.